Notícias Uso do cronotacógrafo representa mais segurança nas estradas 06/07/2018

A importância do uso do cronotacógrafo vem crescendo ao longo dos anos em consequência do número de acidentes fatais envolvendo ônibus, caminhões e vans escolares.

O Código de Trânsito Brasileiro, no seu artigo 105, estabelece obrigatoriamente que veículos de carga com peso acima de 4.536 quilogramas e os veículos de transporte e de condução escolar, e de transporte de passageiros com mais de 10 lugares, DEVEM possuir o cronotacógrafo.

O Brasil está entre os países que tornaram o uso do cronotacógrafo obrigatório em ônibus e caminhões, desde 1997, quando foi instituído o Código de Trânsito.

Já a Resolução do CONTRAN nº 92/1999, passou a exigir que o cronotacógrafo fosse certificado pelo INMETRO.

E a partir de 2009, os instrumentos também devem ser verificados periodicamente pelo INMETRO, o que aumenta a confiabilidade das medições. Hoje a legislação mais atualizada sobre o assunto é o Edital do Inmetro 04/2015.

O cronotacógrafo é o instrumento ou conjunto de instrumentos destinado a indicar e registrar, de forma simultânea, inalterável e instantânea, as velocidades desenvolvidas pelo veículo e a distância percorrida pelo veículo, em função do tempo decorrido. Os parâmetros relacionados com o condutor do veículo também são registrados, tais como: o tempo de trabalho e os tempos de parada e de direção.

Essas são informações aceitas legalmente como prova em caso de acidentes ou denúncias de má condução do veículo. Mas a integridade desses registros depende da correta instalação e selagem do instrumento. Por isso devem ser verificados periodicamente, a cada dois anos, em postos de selagem credenciados pelo Inmetro.

A inabilidade no manuseio do instrumento pode ocasionar falhas em seu funcionamento, comprometendo seus registros e impedindo a correta análise pericial, em caso de necessidade.

Esses postos de selagem e ensaio estão relacionados no site do Ipem – www.ipem.pr.gov.br, no link “cronotacógrafos”.

O disco diagrama do cronotacógrafo deve ser trocado a cada 24 horas ou sete dias, de acordo com os modelos aprovados e descritos em portaria do Inmetro. O disco diário é único, enquanto o semanal é composto por 7 discos interligados.

Os discos contém áreas específicas para registro de velocidade, distância percorrida e tempo. Em sua parte central, há espaço apropriado para o nome do condutor, local, data de início e fim do percurso, identificação do veículo, início e fim da indicação do hodômetro e número da portaria de aprovação de modelo do disco ou fita diagrama. Devem constar ainda outros dados, como marca ou nome do fabricante, velocidade máxima de registro, código de aprovação de modelo e números das portarias de cronotacógrafos.


 


 


 

Fonte: Assessoria de Comunicação Ipem/PR

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem